Diferenças entre engenharia de software e engenharias tradicionais

Diferenças entre engenharia de software e engenharias tradicionais: "Quem trabalha com desenvolvimento de software está quase sempre envolvido com atrasos na entrega e com problemas de qualidade no produto construído. Quando estes problemas se tornam muito frequentes, inevitavelmente as pessoas começam a comparar a Engenharia de Software com as engenharias tradicionais, pois, é perceptível que nas demais engenharias os problemas de atraso e qualidade são muito menos recorrentes.



Por que ao construir um prédio é possível cumprir o planejamento com muito mais precisão e ter muito menos inconformidades no final do que quando estamos construindo um sistema de informação?



A minha intenção neste post é fazer uma comparação entre os principais aspectos das engenharias tradicionais e de software, para nos ajudar cada vez mais nos aproximarmos das boas práticas de engenharia e a explicar a nossos clientes porque não conseguimos cumprir prazos com a mesma constância que o pessoal das outras engenharias.



Os principais aspectos que diferenciam a engenharia de software das demais são:



Maturidade da área



Existem poucos padrões a serem seguidos quando se executa projetos de software. Na maioria das outras áreas de engenharia já existe uma cultura secular ou até mesmo milenar (lembrando que os egípcios já construíam pirâmides complexas há mais de 5.000 anos), fazendo com que muitos métodos e técnicas sejam extremamente testados e de amplo domínio. Na engenharia de software quase tudo ainda é muito mais experiência de alguns do que conhecimento de todos.



Produto intangível



Os gerentes de projetos de outras áreas, normalmente, trabalham com objetos materiais visíveis e tangíveis. Estes objetos podem ser sentidos, observados, tocados, etc., e mediante o uso das informações obtidas através do uso dos sentidos podem ser melhorados, corrigidos ou modificados. Enquanto isso, a natureza abstrata e intangível do projeto de software limita muito a ação do gerente. É muito mais fácil os envolvidos perceberem e avaliarem o desenvolvimento do projeto de um navio, de uma casa ou de uma máquina do que ver o progresso de um projeto de software cuja visibilidade é meramente conceitual, através de um conjunto de documentos.



A mesma dificuldade de perceber o andamento do trabalho se repete ao tratarmos sobre alterações no produto finalizado. É muito mais fácil para um engenheiro explicar a um cliente o esforço necessário para mudar a janela de uma casa de lugar depois dela pronta, do que um engenheiro de software demonstrar para o seu usuário o esforço para mudar um botão de posição na tela de um sistema. “Mas basta apenas mudar o botão de lugar, não pode demorar esse tempo todo...” é a resposta padrão que os profissionais de software ouvem.



Facilidade para modelagem / prototipação



Quando se trata de projetar objetos tangíveis, é muito mais fácil criar um modelo ou protótipo que represente bem para os interessados aquilo que se pretende construir. Pode-se lançar mão de diversos artifícios: plantas, desenhos, maquetes, modelos computacionais em 3D, etc. Permitindo até mesmo que criemos modelos que simulam o funcionamento do produto depois de pronto. Já para um software, que é intangível, a questão da prototipação é mais complexa, normalmente o que fazemos são os layouts das telas e a simulação da navegação, contudo, isso não basta. Por trás das telas pode haver regras de negócios extremamente complexas que não são representadas no protótipo e, consequentemente, não podem ser validadas pelos interessados.



Falta de padronização nos projetos



Grande parte dos projetos de software são projetos únicos, pois, visam informatizar processos que também são únicos. Existe a experiência anterior com outros projetos, mas ela não se aplica integralmente no novo projeto. Isso torna difícil antecipar problemas, pois, a maioria deles serão problemas novos.



Rápida evolução tecnológica



Como há uma rápida evolução tecnológica na área de TI, nem mesmo a tecnologia usada, os métodos e ferramentas já conhecidas e experimentadas em projetos anteriores servirão de parâmetros para o novo projeto. Muitas ferramentas ou técnicas amplamente utilizadas há pouco mais de uma década, hoje são completamente obsoletas.



Na maioria das áreas a opção mais comumente adotada para acompanhar a evolução tecnológica ou o aperfeiçoamento de métodos e técnicas é projetar novos produtos que englobam os avanços tecnológicos. Em projetos de software, não raro, tenta-se adaptar os produtos existentes às novas tecnologias.



Conhecimento da área de atuação



Os projetistas das demais áreas de engenharia, em geral, gerenciam projetos muito específicos de sua área de conhecimento enquanto os projetistas de software são solicitados a desenvolver os seus projetos nas mais variadas áreas do conhecimento humano, áreas estas que eles não dominam. Isto torna as incertezas de seu sucesso ainda maiores, pois, eles dependem essencialmente do conhecimento de pessoas que por sua vez não dominam as técnicas de desenvolvimento de software.



Identificação das falhas



Enquanto os gerentes de projetos de outras áreas podem orgulhar-se de colocar no mercado produtos sem defeitos, os gerentes de produtos de software, geralmente devem contentar-se em oferecer produtos que sejam confiáveis, não necessariamente sem defeitos. Confiáveis são produtos que podem apresentar defeitos, mas estes não devem ocorrer em situações normais de uso, não podem ser frequentes e nem aparecer nos momentos mais críticos de uso do produto.



Outra consideração significativa diz respeito às indicações de possíveis falhas. Nas demais áreas, as falhas são geralmente antecedidas por ocorrências facilmente percebidas, tais como rachaduras em prédios, barulhos estranhos em máquinas, cheiros incomuns em aparelhos elétricos ou produtos químicos, fumaça em motores, por exemplo. Em produtos de software as possíveis falhas muitas vezes só são percebidas na hora do uso.



Várias formas de se implementar o mesmo produto



Na maioria das áreas o número e a variedade de implementações satisfatórias é, em geral pequeno, isto quando não se reduz a uma só. Em engenharia de software pode haver uma enorme variedade de implementações satisfatórias. Desta forma as especificações de um projeto de produto de software devem incluir diretrizes para se escolher adequadamente uma alternativa correta.



Dependência de outros fatores



Outra dificuldade em projetos de software é que a qualidade dos produtos de outras áreas depende, em geral, somente da qualidade construída no produto. Já na área de produtos de software a qualidade do resultado produzido pelo software depende da qualidade da máquina na qual ele vai ser executado, da qualidade dos outros produtos de software com os quais ele interage (sistema operacional, compilador, servidor de aplicação, gerenciador de Banco de Dados, etc.).

"
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Nenhum comentário: